Vice-ministro da Defesa russo preso sob acusações de corrupção

Serviço de imprensa do Ministério da Defesa da Rússia/AFP

O vice-ministro da Defesa russo, Timur Ivanov, foi preso terça-feira sob suspeita de aceitar subornos.



CNN

a russo O vice-ministro da Defesa foi acusado de receber suborno, no maior escândalo de corrupção na Rússia desde que o presidente Vladimir Putin lançou a invasão do país. Ucrânia Há mais de dois anos.

Timur Ivanov Ele é suspeito de aceitar suborno de 1 milhão de rublos (pelo menos US$ 10.800), informou a agência de mídia estatal russa TASS.

Ele compareceu a um tribunal de Moscou na quarta-feira, vestindo uniforme militar completo e em uma gaiola de vidro, e foi acusado de receber suborno como parte de um grupo organizado enquanto realizava trabalho contratado para o Ministério da Defesa. Se condenado, ele pode pegar 15 anos de prisão.

O tribunal de Moscou escreveu no aplicativo Telegram que Ivanov permanecerá detido em um centro de prisão preventiva até pelo menos 23 de junho. Seu advogado, Denis Baluyev, disse que estava apelando do caso e solicitou que Ivanov fosse colocado em prisão domiciliar, segundo a mídia estatal russa RIA Novosti.

Ivanov, que está no cargo desde 2016, é visto como um dos principais arquitetos da guerra da Rússia na Ucrânia e um aliado próximo do ministro da Defesa, Sergei Shoigu. Ivanov ainda está listado no site do Ministério da Defesa como ministro em exercício e não há relatos de sua demissão.

A prisão inesperada de um aliado de Shoigu poderá colocar novamente pressão sobre o ministro da Defesa, que tem sido criticado pela forma como lidou com a invasão da Ucrânia – e de forma mais contundente pelo chefe do Grupo Wagner. Evgeny Prigozhin Nos meses anteriores à sua morte no ano passado. Apesar dos contratempos, Putin manteve Shoigu no cargo.

READ  'Explosões' do derretimento de geleiras no Paquistão triplicaram este ano e exacerbam as inundações

O jornalista investigativo russo Andrei Soldatov disse à CNN que isso está de acordo com uma “tática” usada pelo Serviço Federal de Segurança da Rússia, segundo a qual detém um funcionário de alto escalão para reprimir a violação de regras em um ministério, agência ou organização como um todo. .

Soldatov disse: “Agora este deputado será interrogado extensivamente, não apenas sobre si mesmo, e ele deverá apresentar provas incriminatórias… contra figuras importantes da organização.”

As responsabilidades de Ivanov incluíam a reconstrução de Mairopol, uma cidade no sul da Ucrânia que foi destruída pelas forças russas num cerco de meses no início da guerra. O ministro foi frequentemente visto cortando fitas em vários projetos de construção na cidade, enquanto a Rússia tenta colocar uma fachada Potemkin na cidade que destruiu.

Zakharova Sveta/Instagram

O vice-ministro da Defesa russo, Timur Ivanov, é visto com sua ex-esposa, Svetlana Manovich, em uma foto da conta de Manovich no Instagram.

O seu estilo de vida luxuoso valeu-lhe uma reputação na Rússia e, com ela, o escrutínio da Fundação Anticorrupção (ACF) do falecido líder da oposição russa Alexei Navalny. Maria Pevchikh, chefe da fundação, disse que Ivanov tinha “um dos empregos mais lucrativos que alguém pode ter” no Ministério da Defesa russo e afirmou que a invasão da Ucrânia o tornou muito mais rico.

No ano passado, Pevchikh disse à CNN que a riqueza de Ivanov – incluindo bens, incluindo uma casa histórica numa das áreas mais caras de Moscovo – estava a ser financiada através da corrupção. O Ministério da Defesa russo não respondeu ao pedido de comentários da CNN.

A União Europeia e os Estados Unidos impuseram sanções a Ivanov após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

READ  Zelensky pressiona pelo apoio da Ucrânia na cúpula de líderes europeus na Moldávia

Mas sua ex-mulher Svetlana Manovichcontinuou a viver uma vida de opulência europeia: navegando em iates no Mediterrâneo, esquiando nos Alpes e morando em Paris.

Numa investigação no ano passado, a Acção Contra a Corrupção reuniu a fotografia de uma mulher que aparentemente tinha escapado a todo o escrutínio relativamente ao papel que Ivanov desempenhou na Ucrânia e aos enormes lucros que alegadamente obteve. Baseando-se num tesouro de 8.000 e-mails vazados, a investigação alegou que Manjovic gastou mais de US$ 100.000 em uma grande joalheria parisiense na famosa Place Vendrum em março de 2022, enquanto o cerco a Mariupol se intensificava.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *