Uma festa de celebridades “seminuas” em uma boate de Moscou provoca reações violentas



CNN

Um grupo de celebridades russas que apareceram seminuas numa festa “seminuas” em Moscovo enfrenta reações violentas num momento em que… O país está em guerra Na Ucrânia, as autoridades promovem uma agenda cada vez mais conservadora.

A festa, organizada pela blogueira Anastasia Ivleva de 20 a 21 de dezembro no clube Motapor da capital, atraiu críticas de autoridades da Igreja Ortodoxa e ativistas pró-guerra, bem como de legisladores pró-Kremlin.

Um participante, o rapper Vasio (Nikolai Vasiliev), que parecia usar uma meia para cobrir os órgãos genitais, foi condenado a 15 dias de prisão e multado em 200 mil rublos (cerca de US$ 2.200) depois que um tribunal de Moscou decidiu que o evento tinha como objetivo “difundir relações sexuais”. .” Nacionalidade não tradicional.

Vasiliev foi considerado culpado de crimes, incluindo “vandalismo mesquinho”.

“Nikolai Vasiliev (conhecido como rapper Fashio) participou de uma festa na boate Motapor, perturbou a ordem pública, usou linguagem obscena e publicou postagens em canais do Telegram com o objetivo de promover relações sexuais não tradicionais na mídia online”, disse a decisão. O tribunal.

Nos últimos anos, o Kremlin expandiu uma série de leis anti-LGBT, uma mudança conservadora que se intensificou após a invasão da Ucrânia. No mês passado, o Supremo Tribunal da Rússia O Movimento Internacional LGBTQ foi declarado uma organização extremista.

A reação contra o partido em Moscovo ocorre num momento em que o presidente russo, Vladimir Putin, se concentra cada vez mais nos valores tradicionais, em vez de naquilo que retratou como a decadência e a imoralidade do Ocidente. Ele busca a reeleição em março de 2024.

Vasiliev estava entre os que compareceram à cerimônia para apresentar um pedido público de desculpas.

READ  Israel bombardeia campo de refugiados de Jabalia, em Gaza

A organizadora Ivleva disse inicialmente que as escolhas de roupas dos participantes eram próprias e afirmou que o evento era uma oportunidade para mostrar fotos tiradas durante seu tempo como editora-chefe da edição russa da Playboy.

Na quarta-feira, Ivleva divulgou um novo vídeo com mais de 21 minutos de duração, no qual ela se desculpou entre lágrimas e pediu perdão e uma segunda chance, ou condenação pública.

A agência de notícias oficial RIA Novosti informou que uma ação judicial pedindo indenização por 1 bilhão de rublos (11 milhões de dólares) em danos morais foi movida na terça-feira contra Ivleva pela organização do concerto.

Outra participante, a estrela pop Anna Asti, cancelou seu show de Ano Novo em outro clube em Moscou, informou o local em seu site.

A mensagem dizia: “Queridos amigos, por motivos alheios ao nosso controle, o show de Anna Asti foi remarcado para uma nova data, que anunciaremos em breve”.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, recusou-se a comentar na quarta-feira, dizendo: “Com relação a este partido, peço a sua misericórdia: continuemos sendo os únicos no país que não discutem este assunto”.

A ativista pró-guerra e chefe da Associação Internet Mais Segura, Ekaterina Mizulina, agradeceu à polícia russa na quarta-feira pela sua resposta, partilhando capturas de tela no aplicativo Telegram de mensagens supostamente de cidadãos preocupados e irritados.

“Como posso explicar ao meu sobrinho, que perdeu as pernas durante uma operação especial e ficou incapacitado, pelo que ele lutou e por que acabou ficando incapacitado, por causa da cueca de Ivleva?” Uma das mensagens fazia referência ao eufemismo oficial da Rússia para a invasão da Ucrânia.

“Organizar tais eventos num momento em que os nossos jovens estão a morrer em operações militares e muitas crianças estão a perder os seus pais é ridículo”, disse Mizulina na sua publicação. Nossos combatentes na linha de frente certamente não estão lutando por isso”.

READ  Rússia propõe um 'novo prefeito' em uma cidade ucraniana depois que seu antecessor foi supostamente sequestrado

Entretanto, Vitaly Borodin, chefe do Projecto Federal de Segurança e Anticorrupção, expressou indignação, chamando o evento de “sodomia, obscurantismo e propaganda homofóbica”, e instou o Ministro do Interior a enviar a polícia para a discoteca Motapor.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *