Vendas no varejo e dados industriais da China superam expectativas

Cidadãos compram comida em uma barraca de rua em Chengdu, província de Sichuan, China, em 22 de junho de 2021.

Publicação futura | Publicação futura | Imagens Getty

A China divulgou nesta terça-feira um crescimento melhor do que o esperado nas vendas no varejo, investimento em ativos fixos e produção industrial para começar o ano.

Os lançamentos de dados combinam janeiro e fevereiro, como de costume no Departamento de Estatísticas da China, para evitar distorções do feriado do Ano Novo Lunar, que pode cair em qualquer mês, dependendo do ano.

As vendas no varejo cresceram 6,7% em relação ao ano anterior, superando os analistas consultados pela Reuters para um crescimento de 3% em relação ao ano anterior. Móveis foi a única categoria com queda de 6% nas vendas no varejo. Os produtos petrolíferos, ouro, prata e joalharia registaram os maiores aumentos.

O investimento em ativos fixos aumentou 12,2%, bem acima das expectativas de um aumento de 5%. Dentro do investimento em ativos fixos, o da manufatura de alta tecnologia teve um dos maiores aumentos, de 42,7%. O investimento em infraestrutura cresceu 8,1%. O investimento em desenvolvimento imobiliário aumentou 3,7%, mesmo com a área de pisos comerciais vendidos a diminuir 9,6%.

A produção industrial também teve desempenho superior, com alta de 7,5%, contra expectativas de crescimento de 3,9%.

Leia mais sobre a China da CNBC Pro

A taxa de desemprego nas cidades aumentou para 5,5% em fevereiro em relação a janeiro, enquanto a taxa de desemprego para pessoas de 16 a 24 anos permaneceu muito maior em 15,3%.

“A economia nacional continuou uma recuperação constante, a demanda por produção cresceu rapidamente, empregos e preços se mantiveram estáveis, novas forças motrizes continuaram a se desenvolver e o desenvolvimento de alta qualidade alcançou novos progressos”, disse o escritório de estatísticas em comunicado.

READ  Toys 'R' Us está chegando a todas as lojas da Macy's nesta temporada de férias

Na semana passada, o governo central da China Anunciou uma meta oficial do PIB de “cerca de 5,5%” para o ano.

Muitos economistas disseram que a meta é ambiciosa, especialmente depois de um Reaparecimento de casos de Covid As fábricas foram forçadas a interromper a produção.

As novas restrições atingiram grandes cidades como Shenzhen e Xangai na pior onda de pandemia que o país viu desde o choque inicial, há pouco mais de dois anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.