Xi da China revela grande plano de desenvolvimento com países da Ásia Central

XIAN, 19 Mai (Reuters) – Desde a construção de redes de infraestrutura até o aumento do comércio – evitando “interferência externa” – o presidente chinês, Xi Jinping, revelou um plano ambicioso nesta sexta-feira para ajudar a impulsionar a Ásia Central para o próximo estágio de seu desenvolvimento.

A China está pronta para coordenar estratégias de desenvolvimento com os cinco países da Ásia Central Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão, Turcomenistão e Uzbequistão, e fazer esforços conjuntos para promover a modernização dos seis países, disse ele na Cúpula China-Ásia Central. Noroeste da China.

“O mundo precisa de uma Ásia Central estável, próspera, harmoniosa e bem conectada”, disse Xi.

Ao mesmo tempo, Xi alertou que os seis países devem resistir à “interferência estrangeira” nos assuntos internos dos países regionais e aos esforços para incitar “revoluções coloridas” e manter uma postura de tolerância zero contra terrorismo, separatismo e extremismo.

“A China está disposta a ajudar os países da Ásia Central a melhorar sua capacidade de aplicação da lei, segurança e defesa”, disse Xi.

A mídia estatal chinesa retratou a cúpula de dois dias na histórica cidade da Rota da Seda de Xi’an como um triunfo da diplomacia regional da China. Os líderes do Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão, Turcomenistão e Uzbequistão prometeram seu apoio a Pequim. Cooperação.

Espera-se que a demonstração de solidariedade com os vizinhos da Ásia Central da China contraste fortemente com a imagem “negativa” de Pequim apresentada na Cúpula de Líderes do fim de semana em Hiroshima.

READ  Naomi Biden deve se casar com seu noivo na Casa Branca ainda este ano

Um alto nível de confiança nos vizinhos da China ajudará Contador Acusações dos EUA de diplomacia coercitiva por parte de Pequim. A reunião de Xi de cinco líderes em solo chinês sem o presidente russo, Vladimir Putin, aproxima a Ásia Central da esfera de influência da China, enquanto a atenção de Moscou está voltada para a guerra na Ucrânia.

Xi disse que a China e os países da Ásia Central devem aprofundar a confiança mútua estratégica e sempre fornecer um ao outro “apoio claro e forte” em interesses essenciais como soberania, independência, dignidade nacional e desenvolvimento de longo prazo. Como muitos países da Ásia Central, a Ucrânia era um ex-estado soviético desintegrado.

Comércio e Investimento

A China melhorará os acordos bilaterais de investimento com os países da Ásia Central e aumentará os volumes de frete transfronteiriço com a região de maneira abrangente, disse Xi.

Pequim incentivará as empresas financiadas pela China na Ásia Central a criar mais empregos locais, construir armazéns no exterior na região e lançar um serviço ferroviário especial destinado a promover o turismo cultural na Ásia Central.

O comércio bilateral entre a China e a Ásia Central atingiu US$ 70 bilhões no ano passado, com o Cazaquistão recebendo US$ 31 bilhões, enquanto a China busca laços econômicos mais profundos em sua busca por maior segurança alimentar e energética.

Xi disse que a construção da linha D do gasoduto China-Ásia Central deve ser acelerada.

Ele pediu que a China e a Ásia Central aumentem o comércio de petróleo e gás, melhorem a cooperação energética nas cadeias industriais, aumentem a cooperação em novas energias e o uso pacífico da energia nuclear.

Além disso, a China apóia a construção do Corredor Internacional de Transporte do Mar Transcáspio e fortalecerá a construção de centros de trânsito dos serviços ferroviários de carga China-Europa, disse Xi.

READ  QUEBRANDO: As primeiras renderizações do Galaxy Z Fold 6 revelam um design mais elegante

Reportagem da Redação de Pequim; Edição por Jacqueline Wong

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *