A guerra entre Israel e o Hamas: o primeiro-ministro do Catar compartilha a evolução das negociações de cessar-fogo

DOHA, Qatar (AP) – O Hamas afirma ter respondido “com espírito positivo” à última proposta dos Estados Unidos e dos mediadores do Médio Oriente para um cessar-fogo em Gaza e a libertação de reféns.

Mas o grupo armado disse num comunicado na terça-feira que ainda procurava um cessar-fogo “abrangente e completo” para pôr fim “à agressão contra o nosso povo”. Israel descartou o cessar-fogo permanente buscado pelo movimento.

Esta é uma atualização de notícias de última hora. A história anterior da AP segue abaixo.

Doha, Catar (AFP) – O primeiro-ministro do Catar disse nesta terça-feira que a reação do Hamas ao recente plano de cessar-fogo em Gaza e a libertação de reféns foi “geralmente positiva” durante sua reunião com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, que estava no sua visita, a mais recente no Oriente Médio.

O Qatar, que há muito é mediador com o Hamas, está a trabalhar com os Estados Unidos e o Egipto para mediar um cessar-fogo que poderá incluir uma cessação prolongada dos combates e a libertação de mais de 100 reféns ainda detidos pelo Hamas após a passagem de Gaza em 7 de Outubro. O ataque à fronteira que desencadeou a guerra há quase quatro meses.

O Xeque Mohammed bin Abdul Rahman Al Thani não forneceu quaisquer detalhes sobre a resposta do Hamas, mas disse que o movimento tinha “comentários”. Blinken confirmou que as autoridades receberam a resposta do Hamas e disse que informaria os líderes israelenses sobre o assunto quando visitar o país na quarta-feira.

Blinken se reuniu com autoridades egípcias no início do dia e esteve na Arábia Saudita na segunda-feira.

A sua visita também ocorre num contexto de preocupações crescentes no Egipto sobre as intenções declaradas de Israel de expandir os combates em Gaza para áreas na fronteira egípcia repletas de palestinianos deslocados.

O Ministro da Defesa israelita disse que o ataque do seu país acabaria por atingir a cidade de Rafah, na fronteira egípcia, onde mais de metade dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza se refugiaram e vivem agora em condições cada vez mais miseráveis.

READ  Rússia lança outra barragem de mísseis e drones contra a Ucrânia

Monitores humanitários da ONU disseram na terça-feira que as ordens de evacuação israelenses agora cobrem dois terços do território de Gaza, empurrando milhares de pessoas todos os dias para áreas fronteiriças.

O Egito alertou que a implantação israelense ao longo da fronteira poderia levar a que isso acontecesse Ameaçando o tratado de paz Os dois países assinaram há mais de quatro décadas. O Egipto teme que a expansão dos combates na área de Rafah empurre civis palestinianos aterrorizados para o outro lado da fronteira, um cenário que o Egipto disse estar determinado a evitar.

Blinken, que se reuniu com o presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi no Cairo, disse repetidamente que os palestinos não deveriam ser forçados a sair de Gaza.

Blinken pressiona pelo progresso

Durante esta viagem, Blinken procura avançar num acordo de cessar-fogo, na potencial normalização das relações entre Israel e a Arábia Saudita, e evitar uma escalada nos combates regionais.

Nas três frentes, Blinken enfrenta grandes desafios. Existe um desacordo público entre o Hamas e Israel sobre os elementos básicos de uma potencial trégua. Israel rejeitou os apelos dos EUA para encontrar um caminho para o estabelecimento de um Estado palestiniano, que foi o que fizeram os aliados linha-dura do Irão na região. Houve poucos sinais de ser dissuadido pelos ataques dos EUA.

O Egipto e o Qatar estão a tentar mediar um acordo entre Israel e o Hamas que levaria à libertação de mais reféns em troca da suspensão das operações militares israelitas durante várias semanas. As linhas gerais de tal acordo foram elaboradas por chefes de inteligência dos Estados Unidos, Egito, Catar e Israel no final do mês passado e apresentadas ao Hamas, que ainda não respondeu formalmente.

Tal como nas suas quatro viagens anteriores ao Médio Oriente desde o início da guerra de Gaza, o outro objectivo principal de Blinken é evitar que o conflito se alastre, uma tarefa tornada mais difícil pelo aumento dos ataques de milícias apoiadas pelo Irão na região e por uma força militar norte-americana cada vez mais dura. . E as reações no Iraque, na Síria, no Iémen e no Mar Vermelho, que se intensificaram desde a semana passada.

READ  Os drones russos dobraram seu alcance e colidiram com um MiG-29 ucraniano

Blinken se encontrou com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman na noite de segunda-feira, logo após sua chegada à capital saudita, Riad. Autoridades sauditas disseram que o reino ainda estava interessado Normalizando as relações com Israel Num acordo potencialmente histórico, mas apenas se existir um plano credível para criar um Estado palestiniano.

Lutando em Gaza

Qualquer grande acordo deste tipo parece fora de alcance enquanto a guerra em Gaza continua.

O número de mortos palestinos em quase quatro meses de guerra atingiu 27.585, segundo o Ministério da Saúde nos territórios administrados pelo Hamas, com 107 corpos transferidos para hospitais no último dia. O ministério não faz distinção entre civis e combatentes nas suas estatísticas, mas afirma que a maioria dos mortos eram mulheres e crianças.

A guerra se instalou Espaços amplos Do pequeno bolso e Um quarto da população foi levada à fome.

Israel comprometeu-se a continuar a guerra até que esta esmague as capacidades militares e de governação do Hamas e consiga o regresso de mais de 100 reféns ainda detidos pelo grupo armado.

O Hamas e outros militantes mataram cerca de 1.200 pessoas, a maioria delas civis, na Faixa de Gaza O ataque de 7 de outubro que desencadeou a guerra Cerca de 250 foram raptados. Mais de 100 prisioneiros, na sua maioria mulheres e crianças, foram libertados durante um cessar-fogo de uma semana em Novembro, em troca da libertação de 240 palestinianos detidos por Israel.

O exército israelense anunciou na terça-feira que estava combatendo militantes em áreas da Faixa de Gaza, incluindo a cidade de Khan Yunis, no sul, onde disse que as forças mataram dezenas de militantes no último dia.

Um ataque aéreo israelense na cidade atingiu um prédio residencial, matando dois pais e quatro de seus cinco filhos, segundo o avô das crianças.

READ  Coreia do Sul fornece mais equipamento de desminagem à Ucrânia

Mahmoud Al-Khatib disse que seu filho Tariq (41 anos) estava dormindo com sua família quando um avião de guerra israelense bombardeou seu apartamento no meio da noite. O exército israelita raramente comenta ataques individuais, mas culpa o Hamas pelas mortes de civis, afirmando que os activistas estão presentes em áreas civis.

A crise humanitária continua

Monitores humanitários da ONU disseram na terça-feira que as ordens de evacuação israelenses na Faixa de Gaza cobrem agora dois terços do território, ou 246 quilómetros quadrados (95 milhas quadradas). A área afectada era o lar de 1,78 milhões de palestinianos, ou 77% da população de Gaza, antes da guerra.

O Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA) afirmou no seu relatório diário que as pessoas recentemente deslocadas têm apenas cerca de 1,5 a 2 litros (50 a 67 onças) de água por dia para beber, cozinhar e lavar-se. Também relatou um aumento significativo de casos de diarreia crónica entre crianças.

Os pais de bebês enfrentam um desafio particularmente difícil devido ao alto custo ou à escassez de fraldas, fórmulas infantis e fórmulas infantis.

Zainab Al-Zein, que mora na cidade central de Deir Al-Balah, disse que teve que alimentar sua filha de dois meses e meio com alimentos sólidos, como biscoitos e arroz moído, muito antes do típico 6 marca de um mês porque o leite e a fórmula não estavam disponíveis.

⁠ “Isso é conhecido, é claro, como alimentação pouco saudável, e sabemos que causa desconforto intestinal, inchaço e cólicas”, disse Al-Zein. “Veja, 24 horas assim, ela está constantemente chorando e chorando.”

___

Al-Sharafa relatou de Deir Al-Balah na Faixa de Gaza.

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre a guerra entre Israel e o Hamas em https://apnews.com/hub/israel-hamas-war

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *