Biden agradece a Scholz pelo ‘profundo’ apoio alemão à Ucrânia – DW – 03/04/2023

Alemão Chanceler Olaf Scholes Ele manteve conversas privadas com o presidente dos EUA, Joe Biden, na Casa Branca na sexta-feira, em meio a preocupações de que China Vamos começar a enviar Armas para a Rússia.

Scholz chamou a cooperação com os EUA de “muito boa” e disse que é importante manter a solidariedade transatlântica e seu apoio à Ucrânia.

“É muito importante trabalharmos juntos”, disse Scholz, acrescentando que “é importante enviar a mensagem de que continuaremos trabalhando enquanto pudermos”.

Biden disse a Scholes: “Quero agradecer por sua liderança forte e consistente. Estou falando sério. Fez uma grande diferença.” O presidente dos EUA também agradeceu a Scholes pelo “profundo” apoio da Alemanha à Ucrânia.

Os dois líderes mantiveram discussões a portas fechadas, mas falaram brevemente na frente dos repórteres.

Foi a primeira viagem de Schall a Washington DC desde que a Rússia lançou sua invasão em grande escala da Ucrânia em fevereiro do ano passado.

Biden também elogiou a decisão de Scholz de aumentar os gastos militares da Alemanha, diversificar suas fontes de energia e reduzir sua dependência do gás russo.

“Como aliados da OTAN, estamos fortalecendo a aliança”, acrescentou Biden.

Por que os EUA e a Alemanha estão preocupados com a China?

Antes da reunião, a chanceler alemã pediu à China que “use sua influência em Moscou para pressionar pela retirada das tropas russas” e “não forneça armas à Rússia agressora”. Discurso no Bundestag na quinta-feira.

“Não temos nenhuma indicação de que os chineses decidiram fornecer à Rússia quaisquer armas ou capacidades letais”, disse o porta-voz de segurança nacional da Casa Branca, John Kirby, à DW.

“Eles não tiraram isso da mesa, mas não vemos nenhum sinal deles se movendo nessa direção agora, e certamente esperamos que não.”

READ  Assista à enorme onda rebelde que atinge Ventura, Califórnia, e envia 8 pessoas para o hospital

Tal movimento poderia ter o potencial de prolongar a guerra russa na Ucrânia, que já se arrasta há mais de um ano. Isso poderia alimentar o atrito entre a Alemanha e os EUA devido às diferentes posições em Pequim.

A China é o maior parceiro comercial da Alemanha. Levantar a possibilidade de sanções dos EUA contra a China se ela decidir enviar armas pode representar um problema para Berlim. Pequim pode ter um papel a desempenhar na promoção da paz, sugeriu ele.

Ucrânia: novas alianças dividem o mundo?

Este navegador não suporta o elemento de vídeo.

Alemanha e EUA ‘profundam laços de amizade’

A reunião discreta entre os dois líderes seguiu o conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, revelando que os EUA só concordaram em enviar tanques Abrams para a Ucrânia porque a Alemanha o fez. A condição de enviar seus próprios tanques Leopard 2.

Scholz poderia ter levantado a questão dos subsídios dos EUA para tecnologias verdes – parte da Lei de Redução Inflacionária (IRA). Isso provocou raiva entre os aliados dos EUA na Europa Ao enfrentarem os efeitos da invasão da Rússia, eles dizem que isso está colocando suas empresas em desvantagem.

A reunião de sexta-feira “não é um sinal de crise. É uma oportunidade para aprofundar o relacionamento pessoal entre os dois líderes”, disse Sudha David-Wilp, chefe do escritório de Berlim do centro de estudos do German Marshall Fund.

“Washington ainda vê Berlim como a principal potência militar na Europa. Esta é uma oportunidade para fazer um balanço”, acrescentou.

rm, ab/sms (Reuters, AP)

Enquanto você está aqui: toda terça-feira, os editores da DW reúnem o que está acontecendo na política e na sociedade alemãs. Você pode se inscrever no boletim informativo semanal por e-mail do Berlin Briefing aqui.

READ  Depois que Boris Johnson deixou o cargo, Rishi Sunak é o favorito para se tornar o novo primeiro-ministro da Grã-Bretanha

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *