John Eastman: O advogado de Trump ordena que o comitê responda a Chapman em 6 de janeiro por seus e-mails da Chapman University

O juiz federal David Carter, em Santa Ana, Califórnia, acompanhou o professor de direito exatamente na segunda-feira. John Eastman Ele estava trabalhando para seu cliente, Trump, enquanto elaborou um plano para mudar o resultado das eleições de 2020.

Durante a audiência de segunda-feira, o advogado de Eastman disse ao juiz que seu cliente havia trabalhado para Trump durante vários momentos controversos importantes até 6 de janeiro, quando disse aos legisladores estaduais em 2 de janeiro: “Isso precisa ser corrigido. Isso é comportamento”. Quando ele estava no Willard Hotel com outros contatos de Trump e quando se encontrou com Trump e o vice-presidente Mike Pence em 3 de janeiro sobre o bloqueio da certificação do Congresso para o referendo de 2020.

As confissões do advogado de Eastman, Charles Burnham, nos dias que antecederam 6 de janeiro de 2021, são declarações claras sobre o quanto Eastman fez por iniciativa própria – em nome de Trump.

Quando perguntado especificamente sobre a explicação de Eastman para centenas de legisladores estaduais, Burnham disse: “Esse trabalho foi feito em nome do presidente”.

Na carta que escreveram a Eastman anunciando seu capelão ao painel do juiz Eastman, House perguntou quem era seu cliente em cada momento. Eastman estava trabalhando para seu cliente, Trump, e seu advogado disse ao tribunal quase todas as perguntas.

Antes de Eastman Qualidade da informação negada À congregação quando foi submetido diretamente para testemunho e documentos. Em resposta a quase 150 perguntas e seu documentário sapona, ele buscou a proteção de sua Quinta Emenda contra a autoimolação, disse o advogado do conselho na segunda-feira.

O comitê da Câmara foi então ao seu ex-funcionário, a Chapman University, para obter seus registros. A universidade adquiriu a Casa Sapona na semana passada, e Eastman processou para evitar isso, arrastando a controvérsia para um tribunal federal na Califórnia.

READ  Govt-19 positivo no experimento Queen Elizabeth: anúncios ao vivo

O painel da Casa está configurado corretamente

Após um longo julgamento, Carter anunciou um veredicto contra Eastman na noite de segunda-feira, mas não explicou seu motivo completo até divulgar seu comentário por escrito na terça-feira.

O líder da minoria na Câmara, Kevin McCarthy, tentou com Eastman Carter reduzir o grupo, argumentando que não havia tantos republicanos ou republicanos quanto ele queria. No entanto, o juiz decidiu na terça-feira que a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, seguiu as regras da Câmara na nomeação de membros e que “o comitê de seleção está configurado como propriedade”.

Carter disse que o comitê foi formado adequadamente para enviar e-mails do ex-empregador de Eastman e estava dentro de sua capacidade.

Esta foi a primeira vez que um juiz se pronunciou sobre os argumentos substanciais apresentados por testemunhas ao atacar a estrutura do painel da Câmara.

“O interesse público aqui é muito importante e urgente”, escreveu o juiz, aprovando o trabalho do painel sob a lei. “O Congresso está tentando entender as razões do grave ataque à democracia de nosso país e a tentativa quase bem-sucedida de minar a vontade do eleitorado.”

Divulgação à congregação

No final da audiência de segunda-feira, o juiz apresentou um plano para Eastman fazer mais revelações na Câmara nos próximos dias.

A Chapman University, sua ex-funcionária, dará à equipe jurídica de Eastman acesso a seus quase 19.000 e-mails ao meio-dia de terça-feira, para que eles possam classificar e identificar quais e-mails eles acreditam que devem ser mantidos como aconselhamento jurídico entre Eastman e Trump, que era cliente de Eastman. Ele aderiu ao princípio legal de mudar a eleição de 2020 em 6 de janeiro.

Um terceiro – um juiz em potencial ou um painel de revisores – decidirá se os e-mails podem ser confidenciais como registros privilegiados de advogado-cliente.

READ  Mais de 1,5 milhão de pessoas fugiram da Ucrânia para países vizinhos

Durante uma audiência no tribunal na segunda-feira, Carter disse que queria que as revisões de e-mails fossem agilizadas e que as partes deveriam trabalhar no fim de semana e entregar a casa a Eastman assim que os e-mails fossem classificados.

“O tribunal espera que as partes trabalhem juntas na urgência do caso”, escreveu Carter em uma breve ordem após a audiência. House, Eastman Group e Chapman University apresentarão atualizações ao tribunal nos próximos dias e comparecerão a Carter novamente em uma semana.

Não está claro quanto tempo a revisão do privilégio advogado-cliente levará.

Na segunda-feira, Carter disse que perderia seu desafio mais amplo ao poder da Eastman House e que seus direitos constitucionais, como liberdade de expressão e proteção contra buscas ilegais, seriam violados.

A rápida decisão do juiz é um passo significativo para o conselho, já que uma dúzia de testemunhas relacionadas ao 6 de janeiro desafiam a autoridade do júri no tribunal. Isso prepara o terreno para que Eastman e Trump compartilhem informações sobre a eleição com outras pessoas, bem como outros documentos que a Câmara poderia obter que não são protegidos pela confidencialidade advogado-cliente.

A história foi atualizada com detalhes adicionais da investigação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.