Legisladores adiam decisão sobre o novo coordenador de política climática da UE

Wopke Hoekstra chega ao Binnenhof para gabinete em Haia, Holanda, em 14 de julho de 2023. REUTERS/Piroschka van de Wouw // Foto de arquivo Obtenção de direitos de licenciamento

  • Wopke Hoekstra busca o apoio dos legisladores
  • Compromete-se a definir metas climáticas baseadas na ciência
  • Planos para reprimir os subsídios aos combustíveis fósseis

BRUXELAS (Reuters) – A comissão de meio ambiente do Parlamento Europeu adiou nesta segunda-feira a decisão sobre aceitar ou não o ex-ministro das Relações Exteriores da Holanda, Wopke Hoekstra, como o novo chefe da política de mudanças climáticas da União Europeia, depois que ele buscou o apoio deles em uma audiência de três horas.

A decisão sobre Hoekstra, um conservador de centro-direita, está agora marcada para ser tomada na tarde de terça-feira, após uma audição de Maros Sefcovic, um social-democrata nomeado para assumir a tarefa de coordenar as políticas verdes globais da UE.

“Os coordenadores acabaram de decidir suspender a sua decisão final”, disse o chefe do comitê, Pascal Canvin, em uma postagem no X, anteriormente conhecido como Twitter.

Alguns responsáveis ​​da UE afirmaram que tomar ambas as decisões ao mesmo tempo era uma forma de os grupos políticos opostos garantirem que o candidato do seu rival só obteria aprovação se o seu próprio o fizesse. Cada um requer o apoio de dois terços do comitê para ser aprovado.

Alguns legisladores sugeriram que iriam examinar mais detalhadamente Hoekstra antes de lhe dar luz verde para liderar medidas para reduzir as emissões de dióxido de carbono nos 27 países da União Europeia.

“Queremos obter mais informações dele”, disse o legislador do Partido Verde, Michael Bloss, aos jornalistas, acrescentando que, embora tenha ficado “positivamente surpreendido” com alguns dos planos de Hoekstra, os detalhes de como seriam implementados eram “vagos”.

READ  A investigação canadense sobre alegações de interferência eleitoral na China foi descartada

Hoekstra delineou os seus planos para o cargo na segunda-feira, prometendo defender firmemente os objetivos climáticos da UE em meio à oposição política, e tentar garantir que o bloco estabeleça uma nova meta para reduzir as emissões líquidas de gases de efeito estufa em pelo menos 90% até 2040.

“Usarei todas as ferramentas disponíveis com o objetivo de permitir que a UE atinja a meta mínima recomendada de cortes líquidos de 90%”, disse Hoekstra aos legisladores, acrescentando que apresentaria uma análise no início de 2024 sobre qual deveria ser a meta da UE para 2040. .

Os conselheiros oficiais da UE afirmaram que esta deve comprometer-se a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em 90-95% até 2040 – embora algumas indústrias tenham apelado a uma meta mais fraca.

A acção climática enfrenta oposição política na Europa à medida que aumentam as tensões com a China e os Estados Unidos sobre a corrida para fabricar tecnologia verde, e à medida que os países enfrentam inundações, secas e calor mortal recordes como resultado do aquecimento global causado pelo homem.

Hoekstra prometeu pressionar na cimeira climática COP28 da ONU, em Novembro, por uma eliminação progressiva global dos combustíveis fósseis emissores de dióxido de carbono, e disse que procuraria novas fontes de financiamento climático para países vulneráveis ​​- talvez cortando as receitas do mercado de carbono da UE. .

Ele prometeu tomar medidas mais duras para eliminar gradualmente os 52 mil milhões de euros (54,6 mil milhões de dólares) que os países da UE gastam em subsídios aos combustíveis fósseis todos os anos – incluindo a eliminação de tais subsídios do próximo orçamento da UE.

READ  Uma autoridade israelense diz que Israel está pronto para agir contra os rebeldes Houthi se a comunidade internacional não o fizer

Relatado por Kate Abnett. Editado por Kevin Levy, Jan Harvey, Angus McSwan e David Gregorio

Esta é a solução:トムソン・ロイタ「信頼の原則」

Obtenção de direitos de licenciamentoabre uma nova aba

Kate Abnett cobre a política climática e energética da UE em Bruxelas, reportando sobre a transição verde da Europa e como as alterações climáticas estão a afectar as pessoas e os ecossistemas em toda a UE. Outras áreas de cobertura incluem a diplomacia climática internacional. Antes de ingressar na Reuters, Kate cobriu emissões e mercados de energia para a Argus Media em Londres. Ela faz parte das equipes cujas reportagens sobre a crise energética da Europa ganharam dois prêmios de Jornalista do Ano da Reuters em 2022.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *