Partidos de direita no Chile obtiveram maioria na votação para redigir uma nova constituição

SANTIAGO (Reuters) – Os partidos de direita chilenos conquistaram a maioria dos votos neste domingo para eleger conselheiros para redigir uma nova constituição, em uma forte reviravolta da maioria progressista que redigiu a primeira reescrita constitucional fracassada.

Com 95,13% dos votos apurados, o Partido Republicano do Chile, liderado pelo ex-candidato presidencial conservador José Antonio Caste, recebeu quase 35% dos votos.

Uma coalizão separada de partidos tradicionais de direita obteve pouco mais de 20% dos votos, enquanto a coalizão de esquerda do presidente Gabriel Borik obteve 29%. Os partidos de centro obtiveram os votos restantes.

“Hoje é o primeiro dia de um futuro melhor, um novo começo para o Chile”, disse Kast, que perdeu para Boric em 2021, durante um discurso em Santiago. O Chile derrotou um governo falido.

Os resultados finais determinarão a forma exata de um conselho constitucional de 50 assentos que será responsável por redigir uma nova constituição. Os artigos precisarão de uma maioria de três quintos para aprovação.

É o passo mais recente em um esforço de anos para reformar o roteiro da era da ditadura do país, depois que quase 80% dos chilenos votaram para redigir uma nova constituição em 2020, após violentos protestos contra a desigualdade.

Conselheiros constitucionais eleitos no domingo começarão a redigir uma nova constituição em junho com base em um rascunho preparado por 24 especialistas constitucionais nomeados pelo Congresso em março. Os eleitores aprovarão ou rejeitarão a nova proposta em dezembro.

A primeira Reescrita foi redigida por eleitores independentes e de esquerda e focada em benefícios sociais, direitos ambientais, igualdade de gênero e direitos indígenas.

Foi considerada uma das constituições mais progressistas do mundo, mas muitos eleitores a consideraram muito polarizadora e o processo atolado em controvérsias.

READ  Biden e Yoon prometem dissuadir a Coreia do Norte e fornecer ajuda para combater o vírus Corona

Borik, que assumiu o cargo em março passado, chegou ao poder em uma onda de otimismo em torno da reforma, mas seus índices de aprovação caíram desde então, à medida que a economia vacilante e o aumento da criminalidade se tornaram uma grande preocupação para os eleitores.

Borik também sofreu uma derrota política depois de colocar seu peso na primeira reescrita, que foi rejeitada por quase 62% dos eleitores. Desde então, o presidente se distanciou do processo, mas se comprometeu a apoiá-lo.

“O governo não interferirá no processo e respeitará a independência da entidade em suas deliberações”, disse Borik a repórteres na manhã de domingo após a votação, acrescentando que o governo atuará como fiador e apoiará as solicitações do novo conselho.

Após o discurso de vitória de Kast, Borik falou do palácio presidencial La Moneda em Santiago e pediu unidade e instou a oposição a aprender com a tentativa fracassada anterior.

“Quero pedir ao Partido Republicano, que obteve uma maioria indiscutível, que não cometa os mesmos erros que cometemos”, disse Borik. “Este processo não pode ser sobre vingança, mas sobre colocar Shelley em primeiro lugar.”

(Reportagem de Alexander Villegas e Natalia Ramos) Edição de Lisa Shumaker

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *