Registros judiciais não lacrados oferecem uma nova visão sobre a investigação de documentos secretos de Trump

Washington – Um conjunto recentemente aberto de documentos relacionados com a investigação federal sobre o tratamento de informações confidenciais pelo ex-presidente Donald Trump lança luz sobre a investigação secreta do grande júri que precedeu as acusações contra ele e selou os procedimentos desde a sua acusação.

Documentos confirmaram na terça-feira que agentes federais suspeitam que Trump pode ter tentado obstruir a investigação de maneiras não reconhecidas anteriormente pelos promotores e que documentos confidenciais foram recuperados do quarto de Trump na Flórida meses depois que o FBI revistou seu mar-a-a-law. Estância do Lago. Eles também revelaram uma batalha legal antes secreta entre advogados de defesa que alegaram má conduta investigativa e a posição do Departamento de Justiça em sua investigação.

O procurador especial Jack Smith apresentou 40 acusações federais contra o ex-presidente, acusando-o de possuir ilegalmente informações de segurança nacional – documentos confidenciais que tratam de tópicos que vão desde capacidades nucleares a política militar – e de obstruir investigações federais sobre o seu tratamento de informações sensíveis. Registros governamentais. Trump e os seus co-réus, o assessor Walt Nauta e o ex-funcionário Carlos de Oliveira, declararam-se inocentes e o ex-presidente criticou a investigação.

Numa acusação federal de 2023 contra Trump, ele tentou frustrar os investigadores fazendo falsas representações aos seus advogados. Os promotores disseram que Nauta e De Oliveira estavam envolvidos em um esquema fracassado para pressionar um funcionário de TI de Mar-a-Lago a excluir imagens de câmeras de segurança.

Mas num parecer judicial de 2023 revelado na terça-feira, a ex-juíza-chefe Beryl Howell do tribunal distrital federal em Washington, D.C., escreveu que Trump pode ter ido mais longe do que simplesmente enganar os seus advogados. Ele entendeu que as câmeras de vigilância eram representadas pelo governo”.

Howell relatou vários casos em que o ex-presidente, seus advogados e assessores responderam a pedidos federais de informações sobre documentos confidenciais da época de Trump na Casa Branca em seu resort na Flórida, após o fim de sua presidência.

Em junho de 2022, um grande júri de Washington, DC intimou as imagens da câmera de segurança em Mar-a-Lago, que mais tarde foram retransmitidas a Trump por seu então advogado Evan Corcoran.

“O governo afirma que esta conversa promoveu uma fase diferente do plano em curso do ex-presidente para frustrar os esforços do governo para recuperar todos os documentos confidenciais que respondem à intimação”, escreveu o juiz.

Pouco depois da ligação de Trump com Corcoran sobre a intimação, segundo o juiz, uma testemunha não identificada, correspondendo ao comportamento de Nauta, “optou por viajar com o ex-presidente para a Flórida em 25 de junho de 2022, em vez de Illinois, reorganizando sua programação de viagens. .”

De acordo com o relato do juiz sobre os acontecimentos, os promotores suspeitam que a mudança de viagem de Nauta foi parte do “esforço de Trump para garantir que a movimentação das caixas de volta ao depósito pudesse acontecer fora das câmeras”.

“O governo apresentou provas suficientes para demonstrar que o telefonema de 24 de junho de 2022 pode ter promovido os esforços do ex-presidente para obstruir a investigação do governo”, escreveu Howell.

A opinião amplamente divulgada do juiz em 2023 foi um grande ponto de viragem na investigação do procurador especial sobre a conduta de Trump, quando este violou o privilégio advogado-cliente num caso relativamente invulgar ao forçar Corcoran a testemunhar perante um grande júri sobre os seus contactos com Trump. Foi divulgado publicamente pela primeira vez na terça-feira, confirmando muito do que havia sido relatado anteriormente.

Embora o padrão de prova para os promotores em processos de grande júri seja muito inferior ao de um julgamento com júri, Howell escreveu que o privilégio entre ele e Corcoran não se aplicava porque Trump poderia ter usado seu advogado para uma acusação.

Na época, a CBS News informou que Howell também decidiu que os advogados poderiam usar memorandos de voz e memorandos da época de Corcoran como advogado do ex-presidente, apesar dos desafios sob o mesmo privilégio advogado-cliente.

Em Fevereiro, a equipa jurídica de Trump pediu a Eileen Cannon, a juíza federal que supervisiona o processo criminal, que rejeitasse a acusação e suprimisse parcialmente as provas com base no que argumentaram ser uma decisão errada de Howell. Essa moção para rejeitar foi aberta na terça-feira, depois que Cannon ordenou que a maioria dos registros fossem lacrados com supressões.

Cannon ainda não decidiu se concederá alguns dos esforços de Trump para rejeitar a acusação. Um julgamento estava marcado para começar este mês, mas Cannon adiou seu início indefinidamente, citando questões relacionadas ao uso de provas confidenciais em moções e procedimentos pré-julgamento.

A opinião de Howell de 2023 detalhou buscas feitas pelos advogados de Trump depois de agosto de 2022, quando o FBI conduziu uma busca autorizada pelo tribunal em Mar-a-Lago. Maio de 2022.

Em 2022, a CBS News informou que os advogados de Trump entregaram outros documentos que recuperaram aos investigadores depois de contratarem uma empresa externa para revistar todos os bens de Trump em busca de documentos confidenciais.

Em novembro daquele ano, dois registros foram encontrados em uma caixa em um depósito localizado em West Palm Beach, Flórida, que foi alugado pela Administração de Serviços Gerais.

Uma caixa com mais quatro registos com marcas de classificação foi encontrada num armário em Mar-a-Lago em meados de dezembro de 2022, escreveu Howell, referindo-se aos relatórios incluídos num certificado de conformidade apresentado pelo gabinete pós-presidencial de Trump. Esses documentos fazem parte de uma resposta a uma intimação do grande júri de maio de 2022 e são “classificados como confidenciais”, de acordo com o processo judicial.

Em 5 de janeiro de 2023, o escritório de Trump entregou toda a caixa de quatro documentos ao FBI, bem como dois documentos adicionais que deveriam ser entregues após a intimação de maio de 2022: “uma pasta em branco e outra marcada como quase toda em branco. De acordo com Howell, encontrado no quarto de Trump em Mar-a-Lago ‘Resumo da Coroa Dividida’.

“Notavelmente, nenhuma razão foi apresentada sobre como o ex-presidente poderia ter perdido os documentos com códigos secretos encontrados em seu próprio quarto em Mar-a-Lago”, escreveu o juiz.

Um desses advogados, Timothy Parladore, ex-membro da equipe de defesa de Trump, mais tarde compareceu a uma entrevista com o grande júri para testemunhar sobre a busca.

O depoimento do grande júri implicou o ex-advogado presidencial em alegações de má conduta. Uma parte da entrevista foi revelada na terça-feira, na qual um advogado da equipe de Smith questionou Parladore sobre seu privilégio advogado-cliente com seu cliente, Trump.

“Se o ex-presidente foi tão cooperativo, por que não permitiu que vocês compartilhassem suas conversas com o grande júri hoje”, perguntou o advogado, de acordo com uma página da transcrição divulgada na terça-feira.

“Estamos realmente fazendo isso”, respondeu Parladore.

A transcrição não lacrada fazia parte de uma exposição apresentada pela equipe jurídica de Trump, alegando má conduta do Ministério Público por parte da equipe de Smith. O ex-presidente apresentou as moções sob sigilo em fevereiro, e Cannon as divulgou publicamente na terça-feira.

Em arquivamento de fevereiro, A equipe de Trump acusou o Departamento de Justiça de trabalhar indevidamente com os Arquivos Nacionais e a Casa Branca de Biden para apresentar a acusação, e então “usar indevidamente o processo do grande júri”. As alegações, feitas à vista do público, constituíram motivo para impeachment, argumentaram os advogados de Trump.

A equipe de Smith, no entanto, defendeu seu comportamento e negou as acusações de Trump, vou escrever em março“Este caso foi investigado e processado em total conformidade com todas as disposições constitucionais, leis, regras, regulamentos e políticas aplicáveis”.

“Não houve má conduta do Ministério Público.”

Os documentos permanecem abertos até o comparecimento de Nauta no tribunal de Cannon na quarta-feira. Ele alegou que o Departamento de Justiça elaborou acusações contra ele e se envolveu em processos seletivos, pois ele não cooperou com a investigação. A equipe de Smith contestou essa afirmação e Cannon deverá ouvir argumentos de ambos os lados.

READ  As melhores ofertas de laptops para jogos da Black Friday ainda estão disponíveis no fim de semana

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *