Astrônomos detectam pela primeira vez um disco orbitando uma estrela em outra galáxia: ScienceAlert

Os astrónomos detectaram sinais de um disco em expansão de poeira e gás orbitando uma estrela distante.

Não há nada de incomum nisso. É um estágio natural na evolução de uma estrela e de seu sistema planetário. O que torna esta descoberta tão surpreendente é que é a primeira descoberta já feita sobre uma estrela inteiramente noutra galáxia, fora da nossa.

O recurso foi localizado em Grande Nuvem de Magalhãesalguma galáxia anã 179.000 anos-luz Longe da Via Láctea. Embora possa parecer lógico assumir que os processos de formação estelar são universais, nunca fomos capazes de observar as suas flutuações fora da nossa galáxia natal.

“Quando vi pela primeira vez evidências de uma estrutura rotativa nos dados do ALMA, não pude acreditar que tínhamos descoberto o primeiro disco de acreção extragaláctico. Foi um momento especial.” diz a astrônoma Anna McLeod Da Durham University, no Reino Unido.

“Sabemos que os discos são essenciais para a formação de estrelas e planetas na nossa galáxia, e aqui, pela primeira vez, vemos evidências diretas disso noutra galáxia.”

Impressão artística do disco recém-descoberto. (ISO/M. Kornmesser)

As estrelas nascem de aglomerados densos em nuvens de gás molecular e poeira suspensas no espaço interestelar. Quando a massa fica suficientemente densa, ela entra em colapso sob a influência da gravidade; À medida que gira, começa a puxar mais material da nuvem circundante. No entanto, este assunto não recai sobre a protoestrela de nenhuma maneira antiga; Ele está disposto em um disco ao redor do equador da estrela e cai sobre ele em um fluxo constante e mais controlado, como água escorrendo por um ralo.

Assim que a estrela termina de se formar, o resto do disco permanece lá, aglomerando-se para formar todos os outros elementos do sistema planetário: planetas, asteróides, meteoritos, cometas e poeira. Por esta razão, os planetas do sistema solar giram mais ou menos em torno do Sol num plano plano. Nós mesmos somos como o bolor consciente que cresceu nos restos do café da manhã do sol.

READ  Complexidade inesperada das estruturas da misteriosa Via Láctea

O Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), um poderoso radiotelescópio, fotografou… Alguns desses discos Por toda a Via Láctea, em vários estágios de evolução; Alguns têm lacunas óbvias onde se pensa que os planetas se aglomeram à medida que giram. Mas quanto mais longe estiver, mais difícil será resolvê-lo, mesmo com um telescópio poderoso.

Localização e direção dos jatos e disco identificados em HH 1177. (ESO/ALMA (ESO/NAOJ/NRAO)/A. McLeod et al.)

McLeod e seus colegas embarcaram em sua campanha para encontrar um disco estelar extragaláctico quando os dados foram adquiridos pelo Multi Unit Spectroscope Explorer.contemplação) Um instrumento do Very Large Telescope detectou sinais de um jato, em um sistema chamado HH 1177.

Estas são também características da formação estelar: parte do material que orbita em torno da estrela em formação é transportado ao longo das linhas do campo magnético até aos pólos, onde é lançado para o espaço na forma de um poderoso jacto.

Os investigadores queriam saber se conseguiriam detectar o disco no coração poeirento da formação estelar, por isso utilizaram o ALMA para procurar sinais de rotação. Isto pode ser visto na forma como os comprimentos de onda da luz são encurtados quando a fonte é empurrada em nossa direção e aumentados quando ela é afastada.

“A frequência da luz muda dependendo da rapidez com que o gás que emite a luz se aproxima ou se afasta de nós.” diz o astrônomo Jonathan Henshaw Da Liverpool John Moores University, no Reino Unido. “Este é exatamente o mesmo fenômeno que ocorre quando a sirene de uma ambulância muda de tom ao passar por você e a frequência do som vai de mais alta para mais baixa.”

border-frame=”0″ permitir=”acelerômetro; reprodução automática; gravação na área de transferência; mídia criptografada; giroscópio; imagem em imagem; compartilhamento na web”allowfullscreen>

READ  O efeito de matar dinossauros fez o trabalho sujo com a poeira - Ars Technica

Curiosamente, os dados do ALMA mostraram sinais claros desta rotação. A análise da equipa revelou que a estrela é muito pequena e massiva e ainda está a ser alimentada pelo disco circundante. Isso é muito normal. Mas havia uma diferença entre ele e os discos protoestelares encontrados na Via Láctea: o disco HH 1177 podia ser visto em comprimentos de onda ópticos.

Os pesquisadores dizem que isso tem a ver com o ambiente interestelar da Grande Nuvem de Magalhães. Há muito menos poeira. Portanto, a estrela HH 1177 não está rodeada por uma cortina de material como normalmente estão as estrelas pequenas e massivas da Via Láctea.

Isto torna esta descoberta importante para estudar não apenas como as estrelas se formam em diferentes ambientes, mas também quais os limites que esses ambientes podem impor à formação estelar em geral.

“Estamos em uma era de rápido avanço tecnológico quando se trata de instalações astronômicas.” McLeod diz. “Ser capaz de estudar como as estrelas se formam a estas distâncias incríveis e numa galáxia diferente é muito emocionante.”

A pesquisa foi publicada em natureza.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *